Sistema Administrativo de Obreiros
/ Instituto Apologetico / Missões e Evangelismo
Imprimir Noticia

Tamanho da letra

29/01/2015 as 14:14 por Instituto Apologetico
Missões e Evangelismo
Um dos mais importantes topicos a serem analisados e considerados, quando nos aproximamos do tema Missões e Evangelismo são analisados aqui. Fazer evangelismo implica estar envolvidos com cada um desses processos.
creditos: Eduardo Jose de Paula

 - PROCESSOS QUE ENVOLVEM MISSÃ?ES E EVANGELISMO. 

1. Um dos mais importantes topicos a serem analisados e considerados, quando nos aproximamos do tema Missões e Evangelismo são analisados aqui. Fazer evangelismo implica estar envolvidos com cada um desses processos.   

a. Obter poder divino atavés do Batismo com o Espirito Santo. 

Pentecostes nos revela, não a enfase dos sinais que se seguiram ou acompanharam Ã¡ manifestação do Espirito, quais sejam, o vento forte, as linguas de fogo e o falar em linguas. Mas o foco central do Pentecostes é o próprio poder que foi conferido aos apostolos com a vinda e a manifestação do poder dado pela presença do Espirito Santo em cada vida.  Foi no dia de Pentecostes que a Igreja de Jesus Cristo passou a existir como instituição espiritual, em que sua expansão se iniciou, em que o Espirito Santo começou através dos Apóstolos a arrebanhar a formação espiritual da estrutura da Igreja como Corpo de Cristo. E foi também no dia de Pentecostes que os apóstolos e os discipulos de Jesus ( ja em torno de 120 ) se imbuiram de convicção, fé e coragem, provendo lhes com impeto espirtual para ir e proclamar as boas novas do Reino. Ã© neste contexto em que nós devemos entender o trabalho daqueles que se dispõe, pelo chamado ques  lhe foi proposto, a assumir o trabalho da seara do Senhor, o que difere dos trabalhos seculares assumidos, por exemplo, por um engenheiro, que para construir uma obra de engenharia precisa se capacitar com as tecnicas apropriadas ao seu trabalho. Há portanto uma distinção fundamental entre o que entendemos pela dimensão secular do trabalho humano e o que devemos entender pela dimensão espirtual do trabalho dedicado as obras do Reino. O que capacitou o movimento Cristão a se expandir pelas principais cidades do Império Romano, foi a presença do Espirito Santo na mente e no coração daqueles que responderam ao Ide de Jesus.  

Ser Batisado no Espirto não deve ser entendido com uma imposição restritiva, mas uma condição estabelecida pela vontade divina, aos que sao escolhidos a trabalhar pelo Reino. O Batismo no Espirito Santo nos capacita e nos imbue de poder, ou se preferirem, nos arma de poder de tal forma que, mediante os modelos paradigmaticos que nos são mostrados no Antigo e no Novo Testamento, nos enche de poder, nos prepara de tal forma, que nossa fidelidade nos sobrepuja (ou nos faz ascender, o que nos mostra que o Espirito nos foi prometido após a ascenção de Jesus) ao vigor do trabalho, ás limitações impostas pelas barreiras criadas pelo trabalho e nos permite vencer todas as barreiras impostas contra nós pelo reino das trevasÃ? preciso, então que nós nos ascendamos á presença do Espirto para continuarmos o trabalho de Cristo. Obviamente, tal modelo deve ser buscado e entendido ao percebermos com a nossa mente centrada em Cristo, todo o prévio conhecimento que precisamos ter para ir ao campo missionário ou para ir ao espaço urbano evangelistico, pregar as boas novas do Reino.     No Antigo testamento o Espirito Santo cumulava de poder aqueles que seriam designados com importantes tarefas atribuidas por Deus. Isso nós vemos em Genesis 31:1-5, em Juizes 6:34, 1Samuel 16:13, em Isaias 61:1, em Ezequiel 2:1-4, e no Novo Testamento nós temos muitas referencias mostrando-nos a capacitação que nos vem através da presença do Espirito Santo nos dando poder ao habitar em nós, como em Efésios 1:13-14, e em todas as referencias relativas ao dia de Pentecostes. Em Atos 1:8, onde Lucas narraâ??nos sobre o poder dado pelo Espirito, semelhantemente ao mesmo poder desferido quando explodimos uma bomba de dinamite, conforme lemos em Atos 1-8, onde a palavra utilizada por Lucas, para descrever o poder do Espirito é a mesma entendida como DUNAMIS, cuja tradução do grego significa dinamite, ou um dinamo, aquilo que gera energia continuamente. Em Atos 2 temos como que a metodologia utilizada para a missão evangelica, ou evangelistica, de se levar a Palavra a outros povos, tribos e nações. 1). Devemos estar reunidos em um mesmo lugar (  â??Eles estavam reunidos em um mesmo lugarâ?, Atos 2:1 ) Paulo ai se refere mais a nossa unidade espiritual do que espacial, como a unidade do corpo onde não existe discenção, mas unidade espiritual. Desta forma quando sairmos para evangelizar é necessario que haja um concensso, e não divisão de opiniões. Paulo fala em 1Cor.12:25, â?? so that there should be no division in the body, but that its parts should have equal concern for each other.â?   2). Devemos falar, ou ir ao encontro daqueles que nos circundam e abrir a boca e falar sobre as boas novas do Reino. Pedro nos mostra o modelo, ao lermos em Atos 2:14. â?? Então Pedro, se ergueu junto aos 11, elevou  sua voz e disse á multidão..â?.O livro de Atos torna-se a descrição categórica do poder do Espirto derramado sobre a vida de Pedro  em seus primeiros capitulos.    

Outra condição necessária para o trabalho da seara de Jesus Cristo é termos um encontro real com a pessoa de Jesus Cristo. E a vida de Paulo, o apóstolo, ilustra isso, quando no caminho de Damasco, Saulo foi  confrontado com a presença viva e real de Jesus que o confrontou, o derrubou, o cegou e o transformou totalmente, capacitando-o para o trabalho de evangelização. Este cegar-se paulino pode ser entendido também como o cegar-se diante das circunstancias politico-sócio-culturais que muitas vezes nos bloqueiam ou nos intimidam a trabalhar pela seara de Cristo. Em outras palavras é preciso fechar os olhos ás limitações do impacto da secularização do fenomeno politico-socio-cultural, que muitas vezes existem para nos bloquear ou nos impor restrições diante do trabalho  no campo missionario e evangelistico.  

Outros aspectos importantes em Missões e Evangelismo. 

b. contextualização. 

O que é contextualizar-se: Contextualizar-se significa assumir o contexto da realidade, ou o contexto real, social e politico-cultural em que a mensagem de boa nova do Reino será levada. No seu livro â??Anthropology for Christian Witnessâ?, Charles Kraft diz 

â?? The incarnation of Jesus serves as a key paradigm for a contextualized mission and theology.â? (pg.20) 

Quando Jesus se encarnou em nosso meio, este processo ( de sua encarnação ) nos serve como chave paradigmatica ( ou modelo ) para uma missão contextualizada e teológica.  

Isto quer nos dizer que a vinda de Jesus, assumindo nossa condição, nosso tempo, nosso contexto humano, social e histórico, despojando-se de sua gloria para viver em nosso meio como um de nós, mostra-nos como paradigma, que Jesus nos deu o exemplo chave do que Deus e Ele próprio, Jesus, esperam de nós quando assumimos também nós, nos contextualizar, para levar a palavra da Boa Nova do Reino. Contextualizar significa então, identificar-se com a realidade, com o contexto socio-politico-histórico da realidade á qual fomos levados a evangelizar ou missionizar. Significa também identificar-se com os mais simples, os mais oprimidos, com aqueles a quem Jesus se refere mais comumente e para quem Ele veio, ou observando para quem Ele se refere mais amiúde em sua pregação, notadamente no Sermão das Bem-aventuranças. ( Mat.5:3-12 e Luc.6:20-23 ). 

Contextualizar-se significa também respeitar os modelos éticos e morais, como assumidos por Jesus, em sua missão de evangelizar o mundo. Neste sentido, contextualizar significa assumir uma postura socio-cultural com o mundo secular, sem no entanto aderir integralmente aos vicios e males deste século, o que incorreria em muitos perigos, dentre eles o perigo do sectarismo, do sincretismo religioso, do farisaismo religioso, do legalismo, do fundamentalismo radical, do falso profetismo, da falsidade ideologico-cristã, e do liberalismo cristão. Jesus se identificou de maneira total ao assumir nossa condição humana, não somente a nossa condição de pobreza, mas nossa condição de enfermos, não se enfermando, de pobres espirituais, não sendo ele pobre espiritualmente, e de pecadores a serem redimidos, não sendo ele pecador ou necessitando de remissão.   

No campo da tradução e interpretação da Biblia, contextualização se entende como o processo de assumir o significado e os meios de se interpretar o meio ambiente dentro do qual o texto e a ação são executados. As próprias traduções da Biblia Sagrada 



Espalhe por ai


Comentarios
Deixe seu comentario

Mensagem em Audio

© 2017, Igreja Batista Vida Nova, Todos os direitos reservados.